Al Qaeda dá prazo de 15 dias para governo francês para não matar turista


DA EFE

A AQMI (Al Qaeda no Magrebe Islâmico) deu neste domingo ao governo francês um prazo de 15 dias a partir de amanhã para que cumpra suas exigências e evite a execução de um francês mantido como refém pelo grupo no norte de Níger.

Segundo um comunicado da organização divulgado na internet, o sequestro do turista francês Michel Germaneau no norte do Níger está perto de completar três meses, período no qual Paris "mostrou desinteresse total pela vida de seu cidadão".

A organização assegura que, caso suas exigências --que chama de "razoáveis e simples"-- não sejam atendidas no praxo, o governo francês terá decidido pela morte de Germaneau, um engenheiro aposentado de 78 anos de idade.

Além disso, destaca que este prazo, que descreve como "uma oportunidade de ouro", não será prolongado ou repetido.

O comunicado não diz quais são as exigências, mas veículos regionais de comunicação informaram anteriormente que incluem o pagamento de um resgate e a libertação de presos.
Além disso, o grupo pede à opinião pública francesa e à família do refém para que pressionem o governo do país a aproveitar a "última chance" de salvar Germaneau.

O turista francês e seu guia argelino foram sequestrados em 19 de abril por um grupo de homens armados no norte do Níger, perto da fronteira com a Argélia. O guia foi libertado dez dias depois.

0 comentários:

Postar um comentário