Netinho da calote e não paga servidores e fornecedores

A gestão administrativa do prefeito de Santa Rita, Severino Alves Barbosa, o Netinho de Várzea Nova (PR), está sendo duramente criticada por políticos da Oposição, a exemplo dos vereadores João Júnior e Joselito Carneiro, o Josa de Nezinho, ambos do PSB.

      

Eles atacam a gestão municipal por vários setores, com maior destaque para os da saúde, finanças e infra-estrutura, e salientam que netinho de Várzea Nova estaria instalando o caos administrativo em Santa Rita. Tecem as críticas depois que empreenderam o que chamam de maratona por toda a extensão do município, onde a Prefeitura lastreia os equipamentos com os quais tem a obrigação de prestar assistência à população, através de serviços básicos.

 

Os vereadores denunciam, por exemplo, que o prefeito, por não vir efetuando o pagamento, mensal e de forma regular, em valor de aproximado de R$ 160 mil, ao consórcio que gerencia o aterro sanitário da Região Metropolitana de João Pessoa (por ironia, situado em área da própria Santa Rita), permitiu-se, sem qualquer consulta prévia às instituições competentes, instalar um lixão, a céu aberto, na comunidade Vidal de Negreiros, no entorno do presídio local. O problema, segundo eles, vem causando sérios problemas à saúde da localidade, em razão da proliferação de insetos transmissores de doenças, as mais diversas. A própria Infraero, que gerencia o Aeroporto Castro Pinto, já se insurgiu contra a atitude do prefeito, sob a alegação de que os dejetos ali depositados têm atraído enormes bandos de urubus, o que coloca, em risco, o transporte aéreo que faz rota sobre a localidade.

       

Eles também enfatizam que, dos 39 postos do Programa Saúde da Família (PSF) existentes no município, apenas três é que vêm funcionando (ainda que precariamente), além da Unidade avançada do Sandu; dos 23 que foram fechados, na gestão anterior e por interferência do Conselho Regional de Medica, o prefeito, segundo os vereadores, ainda fechou os das comunidades Padre Malagrida, em Tibiri II, e Barão do Abiahy e São Judas Tadeu, em Várzea Nova.

 

Atraso de repasses e pagamentos - João Júnior e Josa de Nezinho, de outra feita, centram fogo num setor fundamental da gestão municipal de Santa Rita - o financeiro -, com a revelação de que Netinho de Várzea Nova estaria atrasando os salários dos servidores - efetivos e contratados (pro tempore), alguns comissionados e, até, dos aposentados do Iprev (Instituto de Previdência), aí, incluindo-se, também, parte dos comissionados. Isso, segundo eles, por ele não vir repassando, ao órgão previdenciário, a taxa que é descontada, dos salários dos servidores, para a garantia das futuras aposentadorias, o que obriga a Prefeitura a arcar com a responsabilidade de pagar a folha dos aposentados, mês a mês, no limite da folha.

       
Acusando o gestor de estar fazendo apropriação indébita dos recursos dos servidores, no caso do Iprev, os dois políticos ainda denunciam que Netinho de Várzea Nova vem usando de igual procedimento no que concerne à folha dos empréstimos consignados com a Caixa Econômica Federal (CEF), que vem lançando mão de cláusulas contratuais, para inclui-los em cadastros de negativados do sistema monetário nacional. "Ele (o prefeito) é useiro e vezeiro nessa prática; não fez diferente quando tirou o mandato temporário de nove meses!", alfinetam os vereadores, sem excluírem os fornecedores da Prefeitura do rol de inadimplências do prefeito.

ParamentoPB

0 comentários:

Postar um comentário